------------------ Colopatia Chagásica no Sertão Nordestino Brasileiro: uma Revisão de Literatura

Revisão de Literatura

Ver autores ⯆

Este é um trabalho premiado

Thiago Emanuel Rodrigues Novaes

Acadêmico do curso de Medicina na Universidade Federal da Fronteira Sul - Campus Passo Fundo/RS.

Ana Selia Rodrigues Novaes

Doutoranda em Letras na Universidade Estadual do Rio Grande do Norte, mestra em Tecnologia Ambiental pelo Instituto de Tecnologia de Pernambuco, graduada em Geografia pela Autarquia Educacional de Serra Talhada e docente do Instituto Federal do Sertão Pernambucano - Campus Zona Rural.

OBJETIVO: o presente trabalho pretende discorrer acerca da manifestação digestiva da Doença de Chagas (DC) denominada “colopatia chagásica” e sua relação com a transmissão da DC no sertão nordestino brasileiro. MÉTODOS: trata-se de um estudo transversal descritivo desenvolvido a partir de análises em trabalhos científicos, realizando-se revisões bibliográficas em cinco estudos com caráteres qualitativo e quantitativo, que contemplavam as temáticas de “colopatia chagásica”, “megacólon e Doença de Chagas”, “manifestações digestivas da Doença de Chagas” e “Doença de Chagas no sertão nordestino”, com publicações em inglês e português. Nesse âmbito, baseou-se nos estudos de Fernandes et al. (2018), Fonseca Neto; Barata (2018), Garcia et al. (2008), Silva; Andrade Júnior; Dantas (2019) e Rezende (2007). RESULTADOS: a partir dos dados coletados, pôde-se identificar que a colopatia chagásica desenvolve um quadro de megacólon chagásico, uma das manifestações clínicas da Doença de Chagas mais frequentes, que pode ser corrigido cirurgicamente, cujo tratamento se baseia em medidas clínicas e cirúrgicas. As análises evidenciaram que o tratamento cirúrgico pode ser realizado com operações de abaixamento de cólon, com a cirurgia de Duhamel-Haddad, e que o perfil epidemiológico dos acometidos de Doença de Chagas no Nordeste do Brasil era predominantemente do sexo feminino, maiores de 60 anos e provenientes da zona rural. CONCLUSÕES: diante disso, é notório como a colopatia chagásica no sertão nordestino pode acometer mulheres em sua maioria, mas que essa condição clínica pode ser tratada clínica e cirurgicamente. Outrossim, o presente estudo encontrou limitações referentes às publicações escassas em se tratando da temática. Nesse sentido, é mister o desenvolvimento de mais produções científicas a fim de que haja disponibilidade de dados que viabilizem maior difusão de conhecimentos para a resolução do problema.