------------------ Transtorno Dismórfico Corporal: Revisão de literatura sobre a prevalência em pacientes submetidos a cirurgias plásticas

Revisão de Literatura

Ver autores ⯆

Este é um trabalho premiado

Emanuelly Kesley de Freitas Lima

Graduanda em Enfermagem, Faculdade CESMAC do Sertão

Andressa Joyce Almeida Barbosa

Graduanda em Enfermagem, Faculdade CESMAC do Sertão

Franciare Vieira Silva

Graduanda em Enfermagem, Faculdade CESMAC do Sertão

Marcela Porangaba Lopes

Graduanda em Enfermagem, Faculdade CESMAC do Sertão

Neíde Fernanda de Oliveira Silva

Graduanda em Enfermagem, Faculdade CESMAC do Sertão

Lucas Kayzan Barbosa da Silva

Mestre em Enfermagem, Universidade Federal de Alagoas

Objetivo: Descrever a prevalência do Transtorno Dismórfico Corporal em pacientes submetidos a cirurgias plásticas. Métodos: Trata-se de uma revisão integrativa da literatura. A coleta de dados ocorreu através da busca eletrônica de artigos, nas bases de dados Biblioteca Virtual em Saúde e Google Acadêmico. As palavras-chave conferidas no DeCS foram: Transtorno Dismórfico Corporal; Cirurgia estética; Imagem corporal, com os operadores booleanos “AND” e “OR”. Adotou-se como critérios de inclusão: referências publicadas a partir de 2015, disponibilizadas gratuitamente. Quanto aos critérios de exclusão: artigos que não tratavam sobre a temática. Resultados: Foram identificados 7 artigos, os mesmos demostraram que o TDC é uma das condições psiquiátricas mais comuns encontradas em pacientes que recorrem a cirurgia plástica, afim de corrigir defeitos mínimos ou inexistente para reduzir a insatisfação extrema com a aparência física. Dentre os procedimentos cirúrgicos mais procurados, destaca-se: rinoplastia, lipoaspiração de abdômen e implante de prótese mamária. Os indivíduos com vulnerabilidade psicológica são mais suscetíveis a insatisfação com os resultados cirúrgicos, pois sua percepção do defeito físico pode ser um sintoma ou fator desencadeador para a evolução de um transtorno mental. A maioria dos indivíduos que pretendem realizar cirurgias plásticas relata insatisfação com a imagem corporal. Logo, é indicado que sujeitos que apresentem níveis elevados de insatisfação corporal ou TDC, sejam encaminhados a um psiquiatra ao invés de recorrer a uma cirurgia. Conclusões: A insatisfação corporal é apontada como um dos motivos principais para a busca de cirurgia plástica estética, quando em exagero, pode tornar-se um distúrbio de imagem, como o TDC, aumentando ainda mais a busca por intervenções cirúrgicas. Ademais, a realização do procedimento estético não é capaz de diminuir os sintomas de TDC ou amenizar os níveis de insatisfação corporal desses indivíduos.