------------------ Principal Causa da Mortalidade Hospitalar no Atendimento de Urgência em Alagoas nos Últimos Cinco Anos

Estudo Original

Ver autores ⯆

Este é um trabalho premiado

Renata Nobre da Costa

Discente do curso de Medicina do Centro Universitário Cesmac

Isabela Araújo Barros

Discente do curso de Medicina do Centro Universitário Cesmac

Beatriz Cordeiro de Godoy Miranda

Discente do curso de Medicina do Centro Universitário Cesmac

Ioli Menezes Vasconcelos Moura

Discente do curso de Medicina do Centro Universitário Cesmac

Iago Matos Mendonça

Discente do curso de Medicina do Centro Universitário Cesmac

Camila de Barros Prado Moura Sales

Docente do curso de Medicina do Centro Universitário Cesmac

OBJETIVO: Identificar a principal causa de morte na urgência dos hospitais de Alagoas. METODOLOGIA: Foram pesquisados dados no Departamento de Informática do SUS (DATASUS), utilizando como filtro informações de 2014-2019 e óbitos com caráter de urgência no estado de Alagoas. RESULTADOS: No DATASUS estão registrados 37.179 óbitos com caráter de urgência em Alagoas nos últimos 5 anos, sendo 8.481 por doenças do aparelho circulatório, e destes, 3.419 são por Acidente Vascular Cerebral (AVC). Esses dados destacam uma taxa de mortalidade de 22,43 mortes por AVC a cada 100 habitantes em Alagoas nos últimos cinco anos. Evidencia-se, assim, AVC como principal causa de morte hospitalar no atendimento de urgência com caráter de dano circulatório em Alagoas, havendo significante aumento no número dos casos nos últimos 5 anos. A doença, também conhecida como derrame cerebral, é causada pela falta de sangue no cérebro, por conta da obstrução da artéria responsável pela irrigação. Quando há rompimento do vaso, surge o AVC do tipo hemorrágico, considerado o mais grave. CONCLUSÃO: As morbidades cerebrovasculares destacam-se como principal causa da mortalidade hospitalar por urgência em Alagoas. Desse modo, necessita-se alterar o estilo de vida pela incorporação de hábitos saudáveis, alicerçando-se numa rede de serviços de saúde organizada em todos os níveis de atenção com estratégias de vigilância, como forma de prevenção primária, além da indispensabilidade de consolidação estrutural e tecnológica eficiente.